Bem vindos!

Bem vindos ao maravilhoso mundo do coaching!
Coaching é acção acompanhada para rápidos resultados.


Questões sobre Life Coaching e marcação de sessões? Aqui

Pesquisa

 

TAGS/Temas

vários(344)

coaching(104)

resoluções ano novo(5)

comedores compulsivos anónimos(1)

televisão(1)

todas as tags

Nº Visitas

Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

"Dietista crónica": Um caso sério

Fazer dietas faz mal! Em particular, o desgaste psicológico é salientado neste relato que aqui lhe apresento. Boa leitura.

 

A mentalidade de dieta é um dos obstáculos mais difíceis de derrubar no processo de ganhar uma atitude saudável para com a comida, mas esta tarefa é das mais cruciais para o sucesso do emagrecimento eficaz e permanente.

Sabendo que quanto mais queremos emagrecer mais nos focamos em comida, vamo-nos afastando cada vez mais do nosso objectivo! Temos de arranjar maneiras de parar de pensar tanto naquilo em que menos queremos pensar: em comida! Posto isto, veja o que aconteceu à Joana e aprenda o que pode fazer por si.


Conheça a dietista crónica
A Joana tem 35 anos e é uma jovem saudável que toda a vida fez dieta. Agora, com 75 quilos e 37% de massa gorda, numa estatura média de 1,60 m de altura, pensa que "mais valia ter estado quieta" quando há dez anos fez uma dieta drástica usando medicamentos selvagens, prescritos por um médico nuestro hermano sem "escrúpullon", pois com 65 quilos "não gostava dos pneuzinhos aqui no meio". Desde então fez inúmeras outras tentativas, e mais recentemente a muito popular "Desgraça 10" (das ervanárias), sem sucesso duradouro e com aumentos de peso ainda maiores finda cada dieta. Decidiu então que almoçaria diariamente num dos muitos supermercados ditos saudáveis, o "Acelareiro" mas quando eu soube o que come lá, não me admirei de não ter emagrecido nada. Almoça maioritariamente vegetariano, um princípio louvável, mas à base de fritos, panados, quiches, empadas e folhados, e no final não dispensa uma sobremesa de soja. Ou seja, finalmente tomou a iniciativa de almoçar num sítio "saudável" (supostamente), e nem isso a ajudou! Compreensivelmente está desesperada, sem saber o que fazer, o que comer, quanto e quando comer. Está até com medo de comer! Contudo, tem excesso de peso e só pensa em emagrecer, e acha que só com dietas e força de vontade vai lá.


1ª consulta comigo (nutricionista): O que gosta de comer?

Pedi à Joana que escrevesse tudo aquilo que gosta de comer. Não foi assim tão simples esta tarefa, porque tinha alguma dificuldade em discernir entre o que gostava mesmo e o que era suposto comer. Passados poucos minutos, pedi-lhe que escrevesse quais os alimentos, dessa lista, que considerava "bons" e "maus". Ela assim fez, apercendo-se que seccionava (mentalmente) a comida e expliquei-lhe como essa divisão lhe era prejudicial, pois quando em dieta só comia dos "bons", e quando parava com a dieta só comia dos "maus". E tinha este comportamento de extremos ironicamente por acreditar que esta divisão lhe era útil e indispensável para o controlo alimentar!

Estava tão enganada quanto todas as pessoas que assim continuam a fazer e que se restringem demais (dos "maus") para depois exagerarem, ao passo que se nunca tivessem havido alimentos "maus" nunca haveria a necessidade de "matar saudades", com o exagero característico de quem reage à restrição.

O seu trabalho de casa: sentir a liberdade da comida. Ou seja, comer consoante uma só lista, a lista que fez em consulta chamada "O que a Joana gosta e pode comer". (A única coisa que é proibido comer é veneno de ratos!)



2ª consulta - Esqueça a Força de Vontade e Honre a Fome

A Joana voltou um pouco mais sorridente para o nosso segundo encontro, pois conseguiu durante alguns dias sentir a liberdade e a satisfação de comer sem
restrições. Foi a primeira vez na sua vida que se sentiu assim, mas admite que houve dias em que voltou ao velho hábito da proibição. Mas tomou-lhe o gosto e está a aprender!

Falámos dos seus medos de deixar de controlar as calorias e gramas de gordura, de deixar de fazer dieta e de perder o controle. Expliquei-lhe que aprendendo a ouvir e a respeitar os seus sinais internos seria a maneira mais confortável e eficaz de se controlar, coisa que não fazia por medo da sua incapacidade de auto gestão. Expliquei-lhe como era importante honrar a sua fome, comendo quando tinha alguma fome e parando quando se sentisse moderadamente cheia, ou "cheínha". No caso da Joana foi preciso relembrá-la dos sinais que significam estar com fome, pois com tantos anos em dieta, esses sinais internos foram atrofiados. Sugeri que comesse devagar e que comesse até 70% da sua capacidade, sem ter pena de deitar comida fora, se assim tivesse que ser, pois ela por vezes "fazia de caixote do lixo". Falámos também que não é com força de vontade que se consegue emagrecer, mas sim com planificação e organização, pois a força de vontade é de curta duração e um projecto desta envergadura precisa duma infra estrutura a longo prazo.

O seu trabalho para casa: honrar a sua fome e levar consigo snacks saudáveis. Durante 24 horas, pelo menos, comer quando sentir alguma fome e parar quando estiver cheínha. Em caso de dúvida, comer um pouco (algo com proteína e hidratos de carbono) de três em três horas, aproximadamente. Levar consigo fruta e pacotinhos de bebida de soja.



3ª consulta - Lidar com as Emoções e os Estragos das Dietas

Neste encontro a Joana partilhou a alegria de ter sentido a liberdade de escolhas e a liberdade de comer quando sente fome, sem tanto medo da comida, pois que já conseguira sentir a saciedade e definir a sua última "trinca" ou garfada.

Ao fazer menos restrição, a Joana também me contou que tinha menos desejos pela comida e por isso tinha menos episódios de exageros despoletados pela voracidade alimentar. Contudo, falou-me que por vezes ainda lhe era difícil não comer quando se sentia ansiosa ou chateada, um mau hábito antigo. Disse à Joana que temos de procurar outras maneiras de nos confortar e resolver os nossos problemas. Ansiedade, solidão, tristeza e estados de irritação todos sentimos. Cada sentimento tem o seu momento de arranque e de travagem; a comida não travará ou resolverá nenhum deles, poderá apenas (a muito curto prazo) anestesiar a dor! Então aí a Joana contou-me que não se lembrava da última vez que tinha chorado! Ela "comia a dor e as lágrimas", em vez de sentir essa dor.

Dado o progresso da Joana, decidi reforçar a ideia que os estragos feitos pelas dietas são tantos que fazer dieta era realmente o seu maior problema, logo nunca poderia fazer parte da solução. As dietas, entre outros, ensinam o corpo a reter mais gordura quando se volta a comer, diminuem o ritmo do emagrecimento e metabolismo, dão-nos sentimentos de falhanço e baixa auto-estima e aumentam as crises de voracidade alimentar. Com esta revisão da matéria, ela ficou ainda mais confiante na sua nova abordagem e conduta.

O seu trabalho de casa: lidar com os sentimentos sem comida. Entre o estímulo da dor e a nossa reacção há um momento; nesse momento pode escolher como vai reagir. Pare e respire fundo, não coma! Beba um copo de água, telefone a uma amiga, ou vá dar um passeio ao ar livre e pense porque se sente assim. Identifique a origem da dor e, com calma, se estiver ao seu alcance, decida agir de encontro à sua resolução.



Sinais de Progresso e Próximos passos
A Joana sem fazer dieta nenhuma emagreceu 5 quilos, e começou a ter melhor auto estima e mais auto confiança na sua relação com a comida. Mesmo não gostando, já aceita melhor o seu corpo gorducho, porque apercebeu-se que se desleixou e andou mal informada e que pode, a partir de agora, comer melhor e fazer exercício regular, na óptica do seu bem estar. Agora, com mais amor próprio e uma nova mentalidade, poderá cuidar-se e emagrecer com saúde.

Em breve estará preparada para um plano alimentar detalhado e personalizado para a ajudar a emagrecer equilibradamente. Até lá continuará a por em prática estas noções no seu dia a dia, sentindo-se cada vez menos envolvida com a mentalidade de dieta. Em breve conseguirá também, sem drama, pesar-se, comprar roupa, ir à praia e despir-se em frente ao namorado, e ganhar cada vez mais serenidade..
 
Madalena Muñoz
93 828 73 98
TAGS/Temas:
Publicado por Madalena Munõz às 18:07
Link | Comentar | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Vania a 4 de Junho de 2008 às 19:13
Olá, Madalena!
Gostei muito do que você escreveu nesse post. Muitas pessoas estão se desgastando fazendo dietas milagrosas e etc. e tal.
Também gostei muito de ter descoberto seu site, é muito interessante, vou indicá-lo a minhas alunas
e amigas.
Visita meu blog: http://cuidandodocorpo.blogspot.com

Abraços
Vânia
De Luís Coelho a 10 de Junho de 2008 às 23:05
Boa noite. Descobri, por acso, há alguns meses atrás, a sua newsletter, que subscrevi ede imediato e tenho divulgado entre os meus amigos. Confesso que a minha admiração pela abordagem clara e despretenciosa que faz desta temática ficou ainda mais reforçada depos da leitura deste caso da Joana. De tão naturais que são os argumentos, até parece que é simples alterar anos de erros consecutivos. As minhas saudações e agradecimento pelas dicas preciosas que vem dando.
De Filipa Cardoso a 22 de Fevereiro de 2009 às 19:14
Boa tarde. Sinto-me exactamente da maneira que referiu que se sente a Joana. É incrivel como só penso no que como e depois ainda como mais e pior. Tenho andado triste, aliás nunca fui muito feliz apesar de transparecer exactamente o contrário. Com 18 anos pesava 100kg (tenho1.74m). Sempre fui gorda, em miuda. Depois de muitas dietas falhadas, lá consegui, sem ajuda médica nem de qualquer medicamento perder 35 kg. Todos os dias corria 1h de manhã e andava de bicicleta de manutenção. A Alimentação muito à base de vegetais, frutas e grelhados. Sentia-me tão bem comigo própria.
Entretanto, dissabores da vida, desgostos amorosos e problemas familiares invadem a minha vida. Para além disso fiquei com umas peles horriveis na barriga por ter perdido tanto peso. Parece que o mundo desmoronou e so penso que sou gorda e tenho uma barriga horrivel. Invejo as silhuetas femininas de uma forma que me assusta. So penso nisso. Dia a dia, hora a hora. Ou seja, sinto-me triste e quando estou triste "vá de comer". Depois como tudo, tudo o que não devo, tudo o que sei que não posso, na esperança de tratar aquela minha tristeza e, ao invés disso, fico ainda mais triste.
Que devo fazer? Ajude-me. Neste momento tenho 70kg.
De Madalena Munõz a 27 de Fevereiro de 2009 às 19:30
Querida Filipa, se eu pudesse retirar-lhe essa tristeza de cima só com um email... Mas não consigo. É demasiado complexo. Mas lanço-lhe 2 desafios: 1) parar de se COMPARAR. Não se compare com nada. Não se compare com ninguém. Faça isto durante uma semana. E quando der por si a comparar-se, mude de pensamentos. 2) listar 10 coisas (actividades, pensamentos, etc.) que lhe tragam bem estar. Estas são para ir fazendo diariamente E para utilizar/fazer quando estiver TRISTE, desgostosa etc. OK? Depois conte-me como se sente. Um beijinho enorme e calma que as coisas vão melhorar.

Comentar post

Perfil e Contactos

Madalena Muñoz
Life & Wellness Coach.



O meu Perfil aqui

O meu Email coaching@madalenamunoz.com

Posts recentes

Peso Pele Praia Prato: Pr...

Coaching para Emagrecer: ...

É preciso traduzir? É ist...

E mai nada. Fazer tempo p...

Aprenda a identificar o q...

Se nada muda, nada muda.....

Seja livre de escolher!

Não adianta obcecar: é be...

Quanto menos açucar comem...

Mas afinal quem é que man...

Arquivos

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO